• André Luiz Cordeiro Cavalcanti

Com o Chile em Primeiro, Brasil está fora da Zona de Classificação, em Ranking de Inovação.


Chile, Costa Rica e México foram os vencedores na América Latina da Edição 2017 do Global Innovation Index (GII), que ranqueia as economias mundiais por sua capacidade inovativa e mede seus resultados. O relatório GII, lançado na Suíça em junho foi preparado em co-autoria com Cornell University, INSEAD e o World Intellectual Property Organization.

A inovação tem sido reconhecida como o motor do crescimento econômico, da prosperidade e do desenvolvimento. O GII pretende fornecer aos países um retrato (snapshot) do seu ecossistema de inovação, ajudando-os a identificar fraquezas e pontos fortes.

Na América Latina como em outros lugares, a formulação de políticas efetivas de inovação poderia servir como um antídoto potencial para as incertezas econômicas e políticas regionais e globais. Embora os resultados globais da região tenham aumentado 2% em relação aos números do ano passado, os países da região ainda estão trabalhando para atender ao potencial de inovação.

Dos 127 países classificados, o Chile chegou no 48º lugar, Costa Rica 53º e 58º do México. A Suíça superou a lista das economias mais inovadoras do mundo, seguido pela Suécia e Holanda. Nenhum dos países da região superou a inovação em relação ao seu nível de desenvolvimento (como a Índia e o Vietnã, por exemplo), e os maiores países da região não viram melhorias em seus rankings, o Brasil permanece em 69º e a Argentina em 76º.

A região está em atraso em termos de insumos que catalisam a inovação - incluindo aumentos no investimento, cursos de graduação em ciência e tecnologia, disponibilidade de mercados de crédito e outros - e nos resultados da inovação, como os pedidos de patente arquivados e os artigos científicos publicados.

O Chile, classificado como o 46º país mais inovador do mundo, continua a ser a economia número um da América Latina, como tem sido nos últimos quatro anos, embora tenha caído duas posições no ranking geral desde 2016.

Suas melhorias em 2017 são principalmente em seus resultados de conhecimento e tecnologia, particularmente no número de novas empresas criadas, onde ocupa o 14º lugar no mundo com oito novas inscrições de empresas por mil habitantes em 2014. Isso coloca o Chile na boa companhia de lugares como Bulgária (com 8,9 por 1.000) e Islândia (com 9,5 por 1.000).

O Chile é o décimo no mundo para as saídas líquidas de investimento direto estrangeiro (IDE) (ou seja, o montante investido que os residentes chilenos fazem em países estrangeiros); Representou 5% do PIB no período de 2013 a 2015, colocando a produção de IDE do Chile acima da de países como o Canadá e a Noruega.

A nação sul-americana de alta renda também supera economias como a Finlândia e os EUA em matrículas em educação superior, com 88,6% de sua população em 2015. Esta é a maior pontuação na América Latina, seguida do Uruguai (38º lugar) e da Colômbia (47º ).

O Brasil continua a ser um importante ator da inovação na América Latina. Este ano, chegou ao 69º lugar no mundo e ao 7º na região latino-americana, perdendo para economias como o Panamá e o Uruguai. Mantivemos a mesma posição em 2016 e melhoramos uma posição em relação a 2015 quando ficamos em 70º lugar no mundo.

O Brasil obteve grandes ganhos em capital humano e pesquisa, melhorando os gastos em educação e a pontuação média das três principais universidades brasileiras, no ranking da universidade QS em 2016 ocupa o 24º lugar mundial, acima de países como a Áustria e a Itália.

As melhorias marcadas no escore da Avaliação Internacional de Estudos da OCDE (PISA) em 2003-12 também foram registradas, embora a educação superior continue sendo um estrangulamento para a inovação. Somente 12% de todos os estudantes de ensino superior estudam ciência e engenharia, colocando o Brasil no 96º mundo.

Os resultados deste ano mostram que, embora os países da América Latina e do Caribe estejam investindo cada vez mais em insumos de P & D e inovação, eles não traduzem necessariamente esses insumos em resultados de inovação como patentes, publicações científicas, certificados de qualidade, produtos de alta tecnologia, marcas registradas e similares.

Isso, por sua vez, está dificultando a eficiência dos sistemas de inovação da região. Com cerca de 650 milhões de pessoas e um PIB combinado de US $ 5,2 trilhões, a América Latina e o Caribe têm potencial para se tornar uma fonte maior de produção intelectual global e produtos manufaturados de alta tecnologia, entre outras possíveis áreas de crescimento.

Para libertar o seu poder compartilhado, os resultados do GII revelam que os países da região devem enfatizar os ambientes propícios que são favoráveis à criatividade interna e também cooperar mais em P & D e inovação a nível regional.

#AndréLuizCordeiroCavalcanti #inovação #economia #crescimento

23 visualizações

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925