• JOSÉ LUIZ OREIRO

ENTREVISTA ao XINHUA: crescimento econômico chinês favoreceu a economia brasileira


A Nova China ou Xinhua - agência de notícias oficial do governo da República Popular da China, sendo a maior agência de notícias do país - entrevistou o Argonauta José Luiz Oreiro. O tópico central: crescimento econômico chinês. Veja e entrevista completa:

BRASILIA, 26 de julho (Xinhua) - O crescimento mais alto do que o esperado na economia chinesa teve um impacto positivo na economia brasileira, favorecendo o setor primário e promovendo o forte crescimento do agronegócio na estagnação econômica do país. Esta é a análise do professor de Economia, José Luiz Oreiro, da Universidade de Brasília (UnB), depois de conhecer o desempenho da economia chinesa no primeiro semestre, com crescimento de 6,9% segundo dados oficiais divulgados na semana passada.

Segundo Oreiro, esse crescimento manteve os preços dos produtos de exportação brasileiros, como o ferro e a soja, em níveis favoráveis, o que compensou parcialmente a paralisia de outros setores.

"No primeiro trimestre, o único setor no Brasil que mostrou crescimento real foi o agronegócio, que teve um aumento de cerca de 13%, e o aço registra preços razoáveis ​​devido ao crescimento da China. A China foi uma boa notícia para a economia brasileira", disse ele.

Na opinião dele, essa aceleração chinesa, mesmo dentro das margens esperadas, também é importante para impulsionar a economia mundial, no momento em que "parece que a terceira marcha está sendo implementada". Em relação aos desafios futuros, ele considerou que a China terá que reduzir sua "taxa de poupança enorme" para manter um modelo de crescimento mais focado no mercado interno.

"A taxa de poupança doméstica da China é próxima de 50 por cento do PIB, não é uma taxa compatível com um país que já é a segunda maior economia do mundo, mas não ajuda a continuar aumentando a capacidade produtiva à taxa em que foi feita. nos últimos 20 anos porque não há mercado consumidor no mundo por isso ", explicou.

Para reduzir a taxa de poupança, disse ele, a China deve começar a imitar os países desenvolvidos em termos de estado de bem-estar social.

"Você terá que implementar políticas de segurança social, aposentadoria paga pelo Estado, um sistema de saúde público e universal (...) Com isso, você poderá reduzir a taxa de poupança e promover o consumo, porque se o chinês médio sabe que eles não precisam economizar mais para pagar Uma hospitalização pode então comprar mais bens de consumo ", disse ele.

Na opinião dele, "esta é a transição que a China precisa completar, em que o consumo terá uma maior participação no PIB do que até agora". Nas últimas décadas, a economia chinesa avançou basicamente por investimentos e exportações; agora deve dar um papel maior ao consumo ".

Sobre as perspectivas para a economia brasileira, que vem de 3,8% do PIB em 2015 e 3,6% em 2016, Oreiro esperou por um segundo semestre "muito ruim". No primeiro trimestre, a economia brasileira registou um ligeiro crescimento devido à produção excepcional de soja e grãos, mas esse efeito não continuará, disse ele, e previu que o crescimento de 2017 será de 0 por cento.

#JoseLuizOreiro #Economia #Xinhua

28 visualizações

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925