• André Luiz Cordeiro Cavalcanti

Como Blockchain pode ajudar a diminuir a a pobreza


Podemos dizer que o blockchain é uma maneira barata e transparente de registrar transações. Pessoas que não se conhecem - e, portanto, podem não confiar umas nas outras - podem trocar dinheiro com segurança sem medo de fraude ou roubo. As principais agências governamentais do mundo, organizações sem fins lucrativos e startup companies estão trabalhando para levar esses sistemas a todo o mundo em desenvolvimento com objetivo de ajudar pessoas pobres a obter um acesso mais fácil aos bancos, fazendo com que possam obter empréstimos ou a proteger suas economias.

Nir Kshetri, Professor of Management, University of North Carolina – Greensboro, percebe algumas manieras em que os sistemas blockchain já estão começando a conectar algumas das pessoas mais pobres do mundo com a economia global.

Uma dessas formas é por meio da facilitação do acesso das pessoas mais carentes à serviços bancários. Esses serviços existem apenas porque as nações têm regulamentos fortes que protegem o dinheiro que as pessoas depositam nos bancos e publicam leis que garantem o cumprimento dos termos dos contratos formais. Nas nações periféricas essas regras muitas vezes não existem - de modo que os serviços que dependem delas são tão caros que a maioria das pessoas não pode usá-los. Por exemplo, para abrir uma conta corrente em algumas partes da África, os bancos exigem enormes depósitos mínimos, às vezes mais dinheiro do que uma pessoa média ganha em um ano.

Um sistema de blockchain, no entanto, impõe regras inerentes à autenticação e à segurança das transações. Isso torna seguro e acessível para uma pessoa armazenar qualquer quantia de dinheiro de forma segura e confiável.

Sistemas baseados em blockchain já estão ajudando as pessoas no mundo em desenvolvimento a, por exemplo enviar dinheiro de um país para outro.

Em 2016, os emigrantes que trabalham no exterior enviaram cerca de US$ 442 bilhões para suas famílias em seus países de origem. Esse fluxo global de caixa é um fator significativo no bem-estar financeiro de famílias e sociedades nos países em desenvolvimento. Mas o processo de envio de dinheiro pode ser extremamente caro.

Usando o MoneyGram, por exemplo, um trabalhador dos EUA com US$ 50 para enviar para o Gana pode ter que pagar US$ 10 em taxas, o que significa que sua família receberia apenas US$ 40. Em 2015, os custos de transação e as taxas de comissão eram em média 10,96% para as remessas enviadas pelos bancos e 6,36% para o envio de dinheiro através de operadores de transferência de dinheiro.

Em contrapartida, o Bitspark habilitado para cadeias de blocos de Hong Kong tem custos de transação tão baixos que cobra um preço fixo de HK $ 15 para remessas de menos de HK $ 1.200 (cerca de US$ 2 na moeda dos EUA para transações inferiores a US $ 150) e 1 por cento para maiores montantes. O uso de conexões digitais seguras de um sistema de blockhain permite à empresa ignorar redes bancárias existentes e sistemas de remessa tradicionais.

A maioria das pessoas no mundo em desenvolvimento precisam de seguro saúde e/ou de vida. Tais serviços são muito caros quando comparado a renda média de países periféricos. Esses altos preços se devem aos altos custos administrativos decorrentes de fraudes: para cada dólar de seguro recebido, os custos administrativos totalizaram US$ 0,28 no Brasil, US$ 0,54 na Costa Rica, US$ 0,47 no México e US$ 1,80 nas Filipinas. E muitas pessoas que vivem com menos de um dólar por dia não têm a capacidade de pagar qualquer seguro, nem qualquer empresa que lhes ofereça serviços.

Na Índia, por exemplo, apenas 15% da população possui seguro de saúde, e essas pessoas pagam prémios relativos mais elevados do que nos países desenvolvidos. Como resultado, as pessoas no Sul da Ásia pagam uma parte muito maior de sua renda em cuidados de saúde que as pessoas nos países industrializados de alta renda.

Como os sistemas blockchain estão online e envolvem a verificação das transações, eles podem evitar (e expor) fraudes, reduzindo drasticamente os custos para as seguradoras.

O Consuelo é um serviço de microsseguros baseado em blockchain apoiado pela empresa mexicana de pagamentos móveis Saldo.mx. Os clientes podem pagar pequenos montantes em seguros de saúde e de vida, com demandas verificadas eletronicamente e pagas rapidamente.

A tecnologia Blockchain também pode melhorar a assistência humanitária. A fraude, a corrupção, a discriminação e a má gestão desviam recursos destinados a reduzir a pobreza e melhorar a educação e os cuidados de saúde, de modo a ajudar as pessoas.

Um projeto piloto no Paquistão está usando um sistema de

blockchain para ajudar famílias carentes a receber dinheiro e alimentos. No início de 2017, o U.N. World Food Program lançou a primeira etapa do que ele chama de "Building Block", dando comida e assistência em dinheiro a famílias carentes na província do Sindh no Paquistão. Um smartphone conectado à Internet autentica e registra pagamentos da agência da ONU a fornecedores de alimentos, garantindo que os destinatários obtenham ajuda, os comerciantes recebam o pagamento e a agência não perca o controle de seu dinheiro.

A agência espera que o uso de um sistema blockchain reduza seus custos indiretos de 3,5% para menos de 1%. E pode acelerar a ajuda a áreas remotas ou acidentadas, onde os caixas eletrônicos por vezes não existem ou os bancos não funcionam normalmente. Em situações urgentes, as moedas digitais cripitografas respaldadas em blockchain podem assumir o lugar do escasso dinheiro local, permitindo que organizações de ajuda, residentes e comerciantes troquem dinheiro eletronicamente.

Os Blockchains podem até ajudar os indivíduos a contribuir com os esforços de ajuda no exterior. Usizo é uma plataforma criada na África do Sul que permite que qualquer pessoa ajude a pagar contas de eletricidade para escolas comunitárias. Os doadores podem acompanhar a quantidade de eletricidade que uma escola está usando, calcular a quantidade de energia que sua doação irá comprar e transferir o crédito diretamente usando bitcoin.

No futuro, projetos baseados em blockchain também podem ajudar pessoas e governos de outras formas. Cerca de 1,5 bilhão de pessoas - 20% da população mundial - não possuem documentos que possam verificar sua identidade. Isso limita sua capacidade de usar os bancos, mas também pode impedir o seu caminho ao tentar acessar os direitos humanos básicos, como votar, obter cuidados de saúde, ir à escola e viajar.

Várias empresas estão lançando programas de identidade digital com capacidade de bloqueio que podem ajudar a criar e validar identidades individuais. Usando apenas um smartphone conectado à Internet, uma pessoa é fotografada e gravada no vídeo fazendo expressões faciais particulares e falando, lendo um texto na tela. Os dados são gravados em um blockchain e podem ser acessados ​​posteriormente por qualquer pessoa que precise verificar a identidade dessa pessoa.

Sem e-mail, telefones, passaportes ou mesmo certificados de nascimento, um blockchsin poderia ser a única maneira que muitas pessoas pobres provariam quem são. Isso realmente poderia melhorar suas vidas e expandir suas oportunidades.

#AndréLuizCordeiroCavalcanti #blockchain #pobreza #desigualdade

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925