• André Luiz Cordeiro Cavalcanti

A Desigualdade Debatida por Laureados


A cada três anos os vencedores do Prêmio Nobel em economia são convidados a se reunir no ambiente tranquilo da ilha alemã de Lindau para para um encontro com uma seleção de jovens economistas brilhantes e discutir o estado da arte de sua profissão. Mas este ano, essa tranquilidade foi desafiada por acontecimentos políticos preocupantes em todo o mundo. Talvez inesperadamente, um dos temas centrais da reunião foi o que fazer com a desigualdade.

Embora nem todos os laureados tenham chegado perto de Jean Tirole, o vencedor do Prêmio Nobel de 2014, que afirmou que a desigualdade econômica é uma forma de "falha no mercado" (veja o texto original), os efeitos políticos e sociais da desigualdade crescente atraem cada vez mais a atenção dos principais economistas do mundo.

Em um painel de discussão sobre a desigualdade, James Heckman, prêmio Nobel de 2000, apontou que a desigualdade cresceu mais rápido nos EUA e no Reino Unido do que em outras democracias ocidentais. Heckman disse que as mudanças no sistema fiscal que favoreceu os ricos eram uma parte fundamental da explicação. Também estava preocupado com o declínio da mobilidade social, particularmente para aqueles com baixos salários.

Peter Diamond e Sir Christopher Pissarides, que compartilharam o Prêmio Nobel em 2010 por seu trabalho nos mercados de trabalho, destacam que a atual preferência deles é por uma renda básica universal (UBI), o que daria uma renda básica mínima a todos os cidadãos, independentemente de sua condição economica. Pissarides afirma que a rápida disseminação de robôs e AI é uma ameaça para um grande número de empregos menos qualificados. Sem uma intervenção do governo, isso ampliará a desigualdade, ele acredita. Pissarides afirma que apoiaria a UBI, desde que fosse cuidadosamente calibrada para estar abaixo do salário mínimo para evitar a interrupção do mercado de trabalho.

Diamond afirma que a crescente desigualdade nos EUA é algo que deve ser enfrentado. Em um artigo recente (leia texto aqui) demonstrou o quanto os Estados Unidos eram um outlier em uma ampla gama de medidas de desigualdade, incluindo renda, riqueza, pobreza e mobilidade social.

Diamond acredita que o debate sobre a desigualdade pode ajudar a concentrar a discussão sobre as falhas políticas: da falta de investimento em educação, pesquisa e infra-estrutura, e da incapacidade de compensar aqueles que carregam o custo da globalização através de perdas de empregos na indústria pesada. Ele também argumenta que as transferências diretas, incluindo a introdução de benefícios para crianças a todos que tenham filhos e a UBI ajudariam a combater a pobreza. Embora ele não pense que o objetivo da política deva necessariamente se concentrar na redistribuição da riqueza, acredita que os desafios econômicos nos EUA exigem um nível mais alto de gastos do governo e, portanto, uma maior tributação sobre os mais ricos.

Tanto Diamond quanto Pissarides estão preparados para considerar maiores impostos sobre a riqueza como parte do mix de políticas. Concentrando-se nos EUA, Diamond defende um aumento substancial do imposto sobre sucessões. Do ponto de vista do Reino Unido, Pissarides defende um aumento da tributação da habitação. Ele é a favor de taxar os ganhos de capital das vendas de casas, em vez de (no momento) apenas tributar imóveis herdados. Ele acredita que isso também pode ter um efeito benéfico sobre os preços das casas, que estão se tornando inacessíveis para muitos jovens.

Embora grande parte do encontro tenha sido centrada na desigualdade nos países ricos, a questão da desigualdade nos países em desenvolvimento não foi ignorada. Eric Maskin, o laureado nobel de 2007 por seu trabalho sobre o mechanism designe, apontou o paradoxo de que, enquanto a desigualdade global entre países se estreitava, devido ao rápido crescimento econômico da China e da Índia, era "profundamente preocupante" que a desigualdade nos países em desenvolvimento estivesse Aumentando.

Maskin sugeriu que isso estava em contradição com a teoria econômica amplamente mantida da vantagem comparativa. Esta é a idéia, apresentada pelo economista David Ricardo no século XIX, de que os salários dos trabalhadores não qualificados nos países mais pobres aumentam à medida que entram nos mercados globais. Maskin sugeriu que isso já não se mantenha, pois agora temos um mercado de trabalho global integrado - não nacional - com cadeias de fornecimento e redes de comunicação globais, permitindo que as empresas ignorem as fronteiras nacionais.

Um dos propósitos da reunião de Lindau é incentivar os economistas mais jovens a pensarem radicalmente sobre quais novas áreas de pesquisa devem se concentrar. Pode ser que essas discussões inspirem a próxima geração a desenvolver novas políticas para enfrentar o desafio da pobreza e da desigualdade.

A economia tem sido frequentemente caracterizada como a "ciência sombria" pela incapacidade de se envolver com problemas da vida real ou prevenir crises como a crise financeira global de 2008-09. Se essa nova abordagem se concretizar, isso pode mudar radicalmente.

#AndréLuizCordeiroCavalcanti #desigualdade #economia #sociedade

10 visualizações

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925