• André Luiz Cordeiro Cavalcanti

Por que essa geração de adolescentes se preocupa com a violência armada


A morte de 17 pessoas no Marjory Stoneman Douglas High School em Parkland, Flórida, foi apenas a última de uma trágica lista de tiroteios em massa nos Estados Unidos, muitos deles em escolas.

Porém, dessa vez, algo diferente aconteceu: os adolescentes começaram a falar. Os estudantes de Stoneman Douglas realizaram uma conferência de imprensa pedindo controle de armas. Adolescentes em Washington, DC, organizaram um protesto em frente à Casa Branca, no qual 17 estudantes se puseram deitados no chão para simbolizar as vidas perdidas.

Uma série de outros protestos organizados por adolescentes estão planejados para os próximos meses.

Os adolescentes não foram às ruas pedindo controle de armas após o massacre do Columbine High School em 1999. Então, por eles e os jovens adultos - conhecidos por "iGen" (Geração i) estão assumindo essa postura?

Pesquisas mostram que a iGen é uma geração única - que pode ser especialmente sensível à violência armada. Via de regra não se consideram adolescentes pessoas que não correm risco. Mas a iGen teve esse aspecto como ponto central de sua educação e perspectivas de vida.

Essa é a geração que, durante a infância, começou a ver campanhas anti-bullying, a viajar nos assentos do carro até os 12 anos, e a ter sua segurança e vidas protegidas pelos chamados 'Pais-helicóptero' (são os pais que estão sempre girando em torno dos filhos. Praticamente os embrulham em plástico-bolha, criando uma corte de jovens adultos que têm dificuldade de ter um desempenho satisfatório no trabalho e em suas vidas) e etc. O comportamento deles seguiu esse exemplo.

Jean Twenge, Professor of Psychology, San Diego State University, em seu livro, realizou análises de grandes pesquisas de várias décadas. Ela concluiu que os adolescentes de hoje são menos propensos a entrar em lutas físicas e menos propensos a se envolverem em acidentes de carro do que os adolescentes de 10 anos atrás. Eles são menos propensos a dizer que gostam de fazer coisas perigosas e não estão tão interessados ​​em assumir riscos.

Com a cultura tão focada em manter as crianças seguras, muitos adolescentes parecem não acreditar que formas extremas de violência contra crianças ainda podem existir.

"Pedimos às nossos legisladoress nacionais e estaduais para que finalmente atuem de forma responsável e reduzam o número desses trágicos incidentes", disse Eleanor Nuechterlein e Whitney Bowen, os organizadores adolescentes da D.C li-in. "É essencial que todos nos sintamos seguros em nossas salas de aula".

Em uma análise recente dos dados da pesquisa de 8 milhões de adolescentes desde a década de 1970, a autora também descobriu que os adolescentes de hoje tendem a atrasar uma série de marcos "adultos". Eles são menos propensos do que seus predecessores a ter uma carteira de motorista, sair sem os pais, namorar, fazer sexo e beber álcool aos 18 anos.

Isso poderia significar que, em comparação com as gerações anteriores, eles são mais propensos a pensar em si mesmos como crianças em seus anos de adolescência.

Como David Hogg, estudante de 17 anos de idade, Stoneman Douglas High School, afirmou: "Somos filhos. Vocês são os adultos. Vocês precisam tomar alguma providência ".

Além disso, à medida que esta geração amadureceu, testemunharam regulamentos de idade mais rígidos para os jovens em tudo, desde a compra de cigarros (com a idade mínima levantada para 21 em vários estados) até a condução (com leis de condução graduada).

Os políticos e os pais estão ansiosos para regular o que os jovens podem e não podem fazer. E essa é uma das razões pelas quais alguns sobreviventes acham difícil entender por que as compras de armas não são tão reguladas.

"Se as pessoas não conseguem comprar maconha ou álcool aos 18 anos de idade, por que eles deveriam ter acesso a armas?", Perguntou a Lyliah Skinner, da escola secundária de Stoneman Douglas.

O atirador, Nikolas Cruz, de 19 anos, sob as leis da Flórida, poderia possuir uma arma de fogo legal com 18 anos de idade. Mas - porque ele tem menos de 21 anos - ele não pode comprar álcool.

Ao mesmo tempo, os adolescentes iGen - como seus antecessores da geração milenium - são altamente individualistas. Eles acreditam que os direitos do indivíduo devem superar as regras sociais tradicionais. Por exemplo, Tweng descobriu que eles são mais solidários com o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a maconha legalizada que as gerações anteriores eram na mesma idade.

Suas crenças políticas tendem a se inclinar para o libertarismo, uma filosofia que favorece os direitos individuais sobre os regulamentos governamentais, incluindo a regulamentação das armas. Com certeza, o apoio para proteger os direitos das armas aumentou entre os milênios e o iGen entre 2007 e 2016.

Mas mesmo um ideólogo libertário nunca argumentaria que a liberdade individual se estende até o ponto de ser possível matar outras pessoas. Então, talvez os adolescentes de hoje estejam percebendo que os direitos às armas de uma pessoa podem levar à morte de outra pessoa - ou a morte de 17 de seus professores e colegas de classe.

Os adolescentes não estão pedindo proibições por atacado para todas as armas. Em vez disso, eles esperam reformas apoiadas pela maioria dos americanos, no sentido de restringir a venda de armas de assalto e verificações de antecedentes mais rigorosas.

Na sequência do tiroteio do Stoneman Douglas High School, a abordagem dos adolescentes para o ativismo - protesto pacífico, foco na segurança e pedidos de regulação incremental das armas - são adequadas para essa geração.

Talvez a iGen guie o caminho para mudança.

#AndréLuizCordeiroCavalcanti

23 visualizações

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925