• André Luiz Cordeiro Cavalcanti

Ser Freelancer é o Futuro?


Atualmente, os freelancers representam 35% da força de trabalho dos Estados Unidos. Na União Européia, a taxa é de 16,1%. Esses números demonstram a mesma tendência global: desde empresários criativos até trabalhadores pagos por tarefa, ser freelance está em alta.

Vários cientistas têm tentado entender esse fenômeno, como jornalistas, sociólogos, especialistas em recursos humanos, coachs, e até mesmo os próprios freelancers tentam descobrir a "verdade" sobre essa nova realiadade.

Nos países da OCDE, estudos mostram que esses indivíduos trabalham principalmente no setor de serviços (50% dos homens e 70% das mulheres). Um estudo recente mostra que a maioria dos freelancers nesses países são "slashers", o que significa que essas atividades complementam a renda de um outro trabalho de tempo parcial ou até mesmo de tempo integral.

Estes ganhos adicionais podem variar consideravelmente. Aqueles que passam algumas horas editando manuais de instruções em casa podem ganhar algumas centenas de euros por mês. Os terapeutas ocupacionais independentes podem ganhar até dez vezes mais dos que trabalham em tempo integral nesta indústria em crescimento.

Talvez o rosto mais glamoroso do freelancing seja a chamada classe criativa, uma categoria ágil, conectada, altamente educada e globalizada de trabalhadores que se especializam em comunicação, mídia, design, arte e tecnologia, entre outros setores.

São arquitetos, web designers, blogueiros, consultores e similares, cujo trabalho é manter as tendências. O mais avançado entre eles acaba por desempenhar o papel de "influenciadores" sociais.

Em Londres, este grupo tem sido parcialmente responsável pelo que o economista Douglas McWilliams apelidou de "economia plana-branca", um mercado florescente e alimentado por café, baseado na criatividade, que combina abordagens inovadoras para negócios e estilo de vida.

Esses hipsters, que também são chamados de "proficians", podem ser relativamente bem-sucedidos em seu trabalho por conta própria, com inúmeros GIGs (trabalhos individuais) e um amplo portfólio de clientes. Para McWilliams, eles podem representar o futuro da prosperidade britânica.

Também trabalhando duro, embora de uma forma muito menos exaltada, estão os frelancers "precários". Esses trabalhadores trabalham longas horas executando tarefas repetitivas. A maioria de seus GIGs não requer um alto nível de experiência e criatividade e, portanto, são facilmente substituíveis.

A segurança do emprego não é assegurada para esses ajudantes on-line, e embora eles provavelmente trabalhem para uma única empresa, tais como os funcionários, os benefícios são quase certamente inexistentes.

Entre a classe criativa e aqueles que se esforçam para fazer malabarismos suficientes para sobreviver, há muitos intermediários: blogueiros impulsionados por sua paixão por escrever, mas lutando para ganhar uma vida decentemente; assistentes on-line satisfeitos com seus empregos que anteriormente enfrentavam desemprego; estudantes que ganham algum dinheiro extra trabalhando algumas horas por semana como designers gráficos.

Os freelancers constituem uma população diversificada de trabalhadores - seus antecedentes educacionais, motivações, ambições, necessidades e disponibilidade para trabalhar diferem de um trabalhador para o outro, e, portanto, é difícil para os analistas representarem com precisão sua diversidade sem recorrer à caricatura.

Ser Freelancer é cada vez mais uma escolha que as pessoas fazem para escapar da jornada de integral de trabalho.

Muitos deles, qualquer que seja seu trabalho, podem ter originalmente optado por esse modelo de emprego porque oferece (ou parece oferecer) liberdade - a liberdade de trabalhar em qualquer momento e, em alguns casos, em qualquer lugar.

Claro, este não é o fim do trabalho assalariado. O trabalho baseado em tempo integral nas empresas ainda é o padrão para o emprego na maioria dos países ocidentais.

No entanto, com o aumento das telecomunicações e automação e do potencial ilimitado do crowdsourcing, é lógico que mais e mais empresas comecem a operacionalizar, e até aumentar, seus negócios com um número de empregados consideravelmente menores.

O aumento do número de freelancers pode ser um indicador chave visível do futuro do trabalho, nomeadamente em termos de práticas de colaboração. Freelancers já estão facilitando a co-gestão de projetos. Em breve, eles também estarão produzindo, comunicando e colaborando com empresas, clientes e com a sociedade em geral.

Dado que eles não são uma classe homogênea de trabalhadores, a gestão desses novos gerentes não será simples. Atualmente, não existe um único sistema de proteção social que corresponda perfeitamente a todos os freelancers, desde limpadores de casa e motoristas de táxi até arquitetos e editores de notícias.

Como esses indivíduos podem se agrupar e trabalharem juntos para promover e defender seus diversos interesses de emprego? Certamente, algum freelancer ambicioso está pensando nisso agora.

#AndréLuizCordeiroCavalcanti

28 visualizações

Veja, escute, leia, pense, faça...

ARGONAUTAS

2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
contato@argt.com.br
61 99853-4925